Detox de preocupação

Preencher a mente com pensamentos negativos e angústias que nem chegam a acontecer é comum, mas faz um mal danado. Descubra em que nível de aflição você se enquadra e como agir

Patricia Affonso 14/02/2018 - 11:00

Detox de preocupação

Leia as afirmações a seguir e circule o que representa os seus sentimentos...

Acredito que a vida é cheia de perigos
Concordo totalmente 1 2 3 4 5 Discordo totalmente

Sempre me sinto em paz com meu interior
Concordo totalmente 1 2 3 4 5 Discordo totalmente

Recorro à comida ou aos drinques para lidar com o estresse
Concordo totalmente 1 2 3 4 5 Discordo totalmente

Sei que tenho tudo de que preciso
Concordo totalmente 1 2 3 4 5 Discordo totalmente

Nem sempre dou total razão aos meus pensamentos
Concordo totalmente 1 2 3 4 5 Discordo totalmente

Evito ficar sozinha e em silêncio
Concordo totalmente 1 2 3 4 5 Discordo totalmente

Penso demais sobre o futuro
Concordo totalmente 1 2 3 4 5 Discordo totalmente

Me sinto grata e feliz, mesmo frente a situações difíceis
Concordo totalmente 1 2 3 4 5 Discordo totalmente

Fico triste ou irritada com frequência
Concordo totalmente 1 2 3 4 5 Discordo totalmente

Quando estou atrasada com as demandas, escolho relaxar
Concordo totalmente 1 2 3 4 5 Discordo totalmente

Muitas vezes eu me sinto física ou emocionalmente esgotada
Concordo totalmente 1 2 3 4 5 Discordo totalmente

Eu falo abertamente sobre meus pensamentos e preocupações
Concordo totalmente 1 2 3 4 5 Discordo totalmente

Apreensiva ou cuidadosa?

Some os números que você circulou e confira, com o total de pontos, em qual destes perfis se encaixa. Conte com as recomendações de
nossas experts para viver menos ansiosa e, assim, mais feliz.

PONTOS 12 a 21

Despreocupada – só que não
Algumas pessoas são tão viciadas em preocupação que nem se dão conta disso. Um erro! Afinal, o primeiro passo para resolver um problema é saber que ele existe. Como mudar: num ambiente tranquilo, feche os olhos e visualize uma situação que a deixou angustiada. “Perceba as emoções que sentiu, o que a magoou ou a preocupou. Então, distancie-se e tente observar a cena sem se deixar levar pelas emoções. Reflita sobre como poderia ter agido para lidar melhor com o ocorrido. Entre no filme, só que, desta vez, crie um ambiente que não a magoe ou a aflija, nem às pessoas envolvidas”, sugere a coach Soraya Tyba (SP), parceira da Sociedade Brasileira de Coaching. Aos poucos, você irá incorporar os comportamentos que deseja ter ao deparar com eventos similares.

PONTOS 22 a 31

Compulsiva por controle
O medo é a mola propulsora da obsessão por dominar tudo, o que traz o excesso de preocupações. É ele que faz você entrar em paranoias do tipo: trabalhar num ritmo alucinado para nunca enfrentar a escassez, desejar ser amada de maneira que não possa ser abandonada. Como se fosse possível ter essas certezas... “O controle só é bom para as coisas práticas da vida: saber quanto tem na conta corrente, o checklist de tarefas do trabalho... Situações mais complexas envolvem condições externas sobre as quais não temos autonomia”, diz a psicóloga Luciana Atti (SP). O tiro, então, sai pela culatra: aquilo que tentamos comandar acaba nos controlando. Você precisa relaxar: entenda que a mania de controle é ilusória. Então leia o exercício sugerido no perfil anterior. “Pratique-o buscando  identificar os sentimentos que a motivaram a se mostrar temerosa e, por isso, querer conduzir a situação”, explica Soraya. Deixe a vida rolar!

PONTOS 32 a 41

Angustiada assumida
Você não tem problema em admitir as suas preocupações. Na verdade, está no outro extremo: não para de falar sobre elas – seja na  terapia ou com as amigas. Partilhar pode ser maravilhoso, porém perceba se problematizar tudo não se tornou um vício. Muitas vezes, as questões podem ser resolvidas apenas com um bom diálogo interno. Procure ser mais simplista: reflita se está assumindo a  responsabilidade pelo que ocorre ou apenas buscando uma fuga nas próprias palavras e no consolo das pessoas próximas. Outro ponto importante é exercitar a capacidade de reconhecer o que há de bom. “Mantenha um caderninho na cabeceira da sua cama e, todas as
noites, anote a data, relacione três coisas boas que lhe aconteceram e agradeça por elas. Valem até as mais simples”, enfatiza Soraya. Se em algum momento você for tomada por um excesso de pensamentos, passeos para o papel. “Essa medida ajuda a desacelerar a mente e funciona como um marco do movimento de busca por uma solução, o que tranquiliza”, diz Luciana.

PONTOS 42 a 51

Cuca quase sempre fresca 
Se você está nesse grupo, significa que vem lidando bem com as preocupações. Você entende que se preocupar demais não é uma maneira de se proteger ou se preservar, mas um veneno para a sua qualidade de vida. Ainda assim, está sujeita a cometer certos deslizes. Para continuar em equilíbrio: quando esbarrar em medos e angústias de qualquer tipo, faça uma viagem no tempo. “Repare: a maioria das catástrofes que você imaginou não aconteceu. Analise quais ideias você carrega que a levam a pensar nos eventos negativos”, ensina Soraya. No geral, trata-se de crenças limitantes, que a fazem pensar que não é capaz de realizar algo. “Desafie essas ideias frequentemente e sua vida será mais plena”, completa a coach.