Bella Falconi rebate críticas: "Não sou só um corpo"

Formada em Nutrição, a musa fitness compartilha suas experiências com mais de 3 milhões de seguidores. Longe das redes sociais, ela curte a vida em família e revela a tentativa de ser mãe outra vez

Por Mariana Silva 29/01/2018 - 17:54

Bella Falconi

Ao encontrar com Bella Falconi, 32 anos, fica quase impossível imaginar que uma das musas fitness mais famosas da internet já foi sedentária. “Minha alimentação era completamente errada, tinha autoestima baixa e não estava feliz com meu corpo. Aos 26 anos, tive pedra nos rins, colesterol alto e outros problemas de saúde... Foi quando precisei repensar”, relembra. A busca pela melhoria veio de forma imediata e as redes sociais, principalmente o Instagram, funcionaram como um acompanhamento de sua própria evolução. 
Há 11 anos morando em Orlando, na Flórida, Estados Unidos, Bella começou a compartilhar seu dia a dia na internet em 2011. “Quando postei minha primeira foto, o Instagram ainda não tinha chegado no Brasil”, conta ela, que atualmente tem mais de 3 milhões de seguidores.
O sucesso foi tanto e o crescimento de seu perfil de forma tão rápido que Bella buscou se especializar no assunto, cursou uma faculdade de Nutrição norte-americana e hoje faz mestrado em Nutrição Aplicada. “Fez toda diferença. Hoje, coloco a cabeça no travesseiro e durmo em paz sabendo que não estou falando besteira, ou dando alguma dica que vai atrapalhar a vida de alguém... Tenho certeza que estou doando o meu melhor. Não sou só um corpo”, diz ela, que rebate críticas. “Imagine uma pirâmide com saúde na base, bem-estar no meio e um bônus na ponta, que é o corpo. Se você não tem os três bem-resolvidos, de que adianta? Uma coisa depende da outra. Se sua saúde está bem e você gosta do que vê no espelho, está tudo certo. As pessoas vão te criticar de uma forma ou de outra”, defende.

A MELHOR MÃE PARA VICKY
Em casa, os métodos e cuidados se repetem. Há três anos casada com o empresário Ricardo Rocha, o Maguila, 38, com quem teve a pequena Vicky, 2, Bella tenta ajustar a rotina conforme seus compromissos profissionais, que incluem viagens frequentes ao Brasil, sem alterar o dia a dia da filha. “Depois da Vicky, nossa vida funciona com base nela. Por ser muito pequena, ela ainda não vai para escola, então não temos tanto problema. Dentro da nossa realidade, buscamos alternativas que tornem tudo o mais confortável possível para ela”, diz.


Apesar de dispensar a ajuda de babás, vez ou outra Bella conta com a ajuda da sogra. “Quando sei que vai ser muito puxado, eu a deixo em Belo Horizonte (Minas Gerais), com a família do Maguila, que é nossa base aqui no Brasil”, explica. “Não sou uma mãe perfeita, mas tento ser a melhor que posso dentro das minhas limitações. Aliás, acho ótimo que ela nos acompanhe. Não é a opção mais cômoda, mas é uma forma de nós três estarmos sempre juntos”, completa.
Tudo tem dado tão certo que, neste novo ano, Bella pensa, inclusive, em aumentar a família. “Não só penso como já estou tentando (risos). Mas ainda não veio. O mais engraçado é que a Vicky veio de primeira, num momento muito improvável da minha vida. Foi quando eu competia e era fisicamente impossível engravidar. Por conta disso, desta vez, achava que se eu respirasse ia engravidar (risos)”.
Bella optou também por congelar óvulos e tentar uma nova gravidez após os 40 anos. “Congelar nos dá uma esperança que nunca morre. Quero um filho agora e pretendo tentar outro quando passar dos 40. Até lá, tudo pode acontecer”, conclui.