Grupo Unidas da Fossa: apoio virtual para mulheres com problemas amorosos e possibilidade real de fazer novas amizades

No Facebook, a chamada é ‘Pé na bunda, quando é compartilhado dói menos’

Redação Viva! Mais 13/07/2017 - 08:59

Diariamente, são cerca de 20 mensagens privadas de desabafos e inúmeros comentários nas postagens e vídeos

Romper o namoro, para Camila Oliveira, de 30 anos, foi a melhor coisa que aconteceu na vida. Hoje ela diz isso, mas a publicitária viveu o luto da separação e, inclusive, criou no Facebook, há menos de um mês, o projeto Unidas da Fossa (www.facebook.com/unidasdafossa). A iniciativa surgiu depois de Camila levar um pé na bunda em maio, e resolver dar suporte, acolher e inspirar outras mulheres em processo de término de namoro ou qualquer problema afetivo. “É um momento muito delicado para a maioria. São diversas questões emocionais envolvidas que impactam, e muito, em todos os âmbitos da vida”, diz ela, que também é jornalista e ‘conselheira amorosa’ da vida das amigas – apesar de Cami mesma não ter sorte propriamente no amor (ela teve sete namorados e lamenta este número).

 

"Quando passamos por algum término, divórcio ou outros sofrimentos na vida pessoal é muito comum buscarmos histórias de superação e apoio em mulheres que estejam passando pelo mesmo que nós. Essa empatia me fez ter o insight de criar o Unidas Da Fossa onde, além de ocupar a cabeça e não procurar o meu ex, eu pudesse dividir todo meu conhecimento em coach de relacionamento e desenvolvimento pessoal e ajudar as pessoas”, conta. De acordo com Camila, o perfil das quase 6 mil seguidoras do UDF é variado, e as histórias também. Chegam desde pedidos de ajuda e conselhos para relacionamento  até relatos de abuso, como o de um namorado que proibia a moça de sair de casa com saia curta. Diariamente, são cerca de 20 mensagens privadas de desabafos e inúmeros comentários nas postagens e vídeos.

 



SAC

Além da criação de conteúdo (com frases motivacionais, buscadas a partir de estudos em pesquisas e livros e material próprio), Camila atua numa espécie de SAC, dando aconselhamento personalizado a cada uma. "Um dos cases que gosto de contar é o de duas seguidores cariocas de 30 anos que estavam passando por relacionamentos abusivos. Ambas me procuraram, conversamos e resolvi apresentá-las. E não é que elas se conheceram pessoalmente, se tornaram colegas, saíram do antigo namoro e vão até dividir apartamento? Fiquei muito feliz!". Camila até chegou a deixar o emprego de publicitária para se dedicar o UDF – ela afirma nunca deixar uma mensagem sem resposta e procura dar retorno em 12 horas.

 

A publicitária também tem planos de criar ações off-line, como viagens, eventos, festas e passeios. "Quero que as mulheres se sintam vivas e vejam que o fim de um relacionamento pode ser o começo de outras possibilidades. Tenho seguidoras de todas as idades e diferentes histórias, muitas perderam o contato com as antigas amigas, e outras que o grupo social é junto do ex. Com o Unidas, sei que novas amizades podem surgir e todas se sentirão mais acolhidas".